novidades

+55  98  2109 5000


novidades

23/10/2017
pensamento computacional

Durante a semana, a Escola Crescimento apresentou algumas novidades educacionais para 2018 nas Unidades Crescimento Renascença e Calhau. Além de novas ferramentas de tecnologia educacional, como os aplicativos Guten News e Mangahigh, os alunos de 2º a 9º anos terão uma nova disciplina: a Mind Makers. Chamada também de Pensamento Computacional, a nova opção da grade curricular apresentará práticas de computação, programação, robótica e pensamento empreendedor. A implantação do pensamento computacional no Ensino Fundamental é uma forma de acompanhar e nos adaptar às mudanças tecnológicas que transformam nosso dia a dia, onde aprender uma linguagem de programação e desenvolver o pensamento computacional, fará que o nosso aluno saia na frente e, desde cedo, aprenda a resolver problemas usando a tecnologia a seu favor, seja programando computadores, robôs ou dispositivos eletrônicos.

 

Em uma visita especial, nossos alunos puderam acompanhar uma amostra do que a nova disciplina possibilitará durante as aulas. Os estudantes, além de saberem como será a nova sala de aula – Laboratório Maker, também puderam interagir com os primeiros robôs que programarão. Quem apresentou tudo às turmas foi Pedro Poda, representante da Mind Makers São Paulo, que explicou que as aulas serão baseadas nas filosofias coding, maker e empreendedorismo,  já utilizados na unidade, onde o aluno vai além de práticas comuns da robótica e programação. Ele ressalta a importância desse tipo de aprendizado diante do “pensamento do século XIX, em que as crianças podem expandir da educação tradicional e usar os conhecimentos para formar um currículo capacitado para o futuro”, ressaltou o educador. 

Futuro, que também é o pensamento da pequena Márcia Tereza Araújo, do 3º ano C, na Unidade Calhau. A aluna, além de ter se divertido muito durante a exibição dos robôs, comentou como uma nova disciplina pode ser importante na carreira dos estudantes: “nós vamos poder fazer os próprios robôs, e essas invenções podem ser grandes em nosso futuro”, finalizou a estudante.